quarta-feira, 28 de junho de 2017

Defesa de Temer: gravação “transpira irregularidade”

O perito Ricardo Molina, contratado pelo presidente Michel Temer, criticou nesta segunda (27) a perícia da Polícia Federal sobre a gravação feita pelo empresário Joesley Batista, um dos donos da JBS.
Segundo Molina, ao menos cerca de 23% do áudio se perdeu, o que, segundo ele, torna o material “imprestável” como prova.
A PF concluiu na última sexta (23) que não houve “qualquer forma de adulteração” na gravação.
“Cerca de 23% da conversação se perdeu. É óbvio que isso prejudica o entendimento. Não importa o motivo, se foi porque um ET passou ou por qualquer outro motivo. Em qualquer processo essa gravação seria considerada imprestável”, disse o perito, que deu entrevista ao lado de Gustavo Guedes, um dos advogados do presidente.
Postar um comentário