sábado, 1 de novembro de 2014

Câmara analisa plebiscito sobre convocação de constituinte para reforma política

congresso-nacional-brasilia-20060713-size-598
A Câmara dos Deputados analisa a possibilidade de o País realizar um plebiscito para que a população decida se quer a convocação de uma assembleia nacional constituinte exclusiva para a reforma política. A consulta popular está prevista no Projeto de Decreto Legislativo (PDC) 1508/14, apresentado à Casa pelo deputado Renato Simões (PT-SP) e assinado também pela deputada Luiza Erundina (PSB-SP). Caso o plebiscito seja aprovado pela Câmara e pelo Senado, a população irá às urnas responder à pergunta: “Você é a favor de uma Assembleia Nacional Constituinte Exclusiva e Soberana sobre o Sistema Político?”. A data da consulta será definida pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), mas terá de ocorrer em até dois anos depois da publicação do decreto.
A questão, na opinião de Renato Simões e Luiza Erundina, é crucial. Só a partir dela, será possível saber se quem deve realizar a reforma é o próprio Congresso Nacional, em seu funcionamento normal, por meio de emendas à Constituição, ou se uma constituinte exclusiva. Para Erundina, falta vontade no Congresso para aprovar a reforma política, que está em debate há mais de 20 anos. “Já houve várias comissões especiais, eu participei de todas. Às vezes, surge uma proposta e ela não chega a ir a Plenário. Quando vai, ela não é votada. Então, talvez a única forma de ter uma reforma política estrutural, não só uma ou outra regra eleitoral, é repensar todo o sistema.”

TCE encontra indícios de superfaturamento em contratos do DER destinados à Arena das Dunas

wpid-arena-das-dunas-1.jpeg
O Pleno do Tribunal de Contas do Estado (TCE) votou nesta quinta-feira (30) pela concessão de medida cautelar determinando ao gestor do Departamento de Estradas de Rodagens do Rio Grande do Norte (DER/RN) a suspensão imediata dos pagamentos às empresas Consórcio 2NC e A Geradora Aluguel de Máquinas S/A, no limite monetário de até R$ 5.349.452,32 e R$ 1.290.020,53, respectivamente, até o julgamento definitivo da matéria. O voto do Conselheiro relator Carlos Thompson Costa Fernandes foi acompanhado pelos Conselheiros Adélia Sales, Renato Costa Dias, Francisco Potiguar e Gilberto Jales.
A decisão do conselheiro Carlos Thompson, em caráter liminar, atendeu ao pedido do Ministério Público de Contas e do Ministério Público do Estado do Rio Grande do Norte para inspeção “na execução dos contratos oriundos dos Regimes Diferenciados de Contratação nº 001, 002 e 003/2014, promovidos pelo DER/RN para instalação de estruturas temporárias para a Copa do Mundo FIFA 2014”. Alegam os requerentes que, para a contratação das estruturas temporárias da Copa do Mundo FIFA 2014 em Natal, o Estado do Rio Grande do Norte, por meio do DER/RN, teria incorrido em várias irregularidades. Inicialmente, o conselheiro submeteu ao Plenário da Corte de Contas, para fins de ratificação, decisão monocrática anterior que determinou busca e apreensão de documentos no DER/RN, devidamente cumprida.

Rosalba a Robinson se cumprimentem durante evento no TCE...Acabou o gato no pote!

robinson rosalba tceA governadora do estado, Rosalba Ciarlini (DEM), cumprimentou seu vice e sucessor, Robinson Faria (PSD), hoje (31), durante sessão especial presidida pelo presidente do Tribunal de Contas do Estado, conselheiro Paulo Roberto Alves. Ela congratulou Robinson pela vitória no último domingo (26). A transparência e os investimentos feitos pelo Governo do Estado foram comentados pelo presidente do presidente do Tribunal de Contas da União, Augusto Nardes durante solenidade nesta sexta-feira (31) em Natal. O presidente do TCU recebeu a Medalha do Mérito Governador Dinarte Mariz, homenagem do Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Norte (TCE/RN).
robinson tceDurante seu discurso, Augusto convidou o governador eleito Robinson Faria (PSD) a conhecer os relatórios da gestão pública em todo o Brasil no próximo dia 17 de novembro em Brasília. Além de Robinson, os governadores eleitos na eleição deste ano devem participar do curso que terá encaminhamento de como deve ser o relacionamento entre o Governo e órgãos fiscalizadores, garantindo mais transparência na atividade pública.
A reunião com os governadores será feita pela Associação dos Membros dos Tribunais de Contas do Brasil (Atricon) onde será apresentada a realidade do Brasil nas áreas da educação, saúde, segurança. “Vamos levar os desafios da administração pública do Rio Grande do Norte, principalmente em relação a investimentos na segurança e saúde”, destacou Robinson. O governador eleito reafirmou seu compromisso com a meritocracia e o diálogo na administração do Rio Grande do Norte.

Henrique diz a Veja que perdeu por causa de Lula e descarta ministério no governo Dilma Rousseff...Tem gato no pote!

henrique pec
 Na primeira semana depois das eleições, o Congresso Nacional deu um claro recado à presidente reeleita Dilma Rousseff (PT): derrubou o decreto bolivariano que criava conselhos populares em órgão públicos, convocou ministros e a presidente da Petrobras, Graça Foster, para prestar esclarecimentos em comissões e ensaia desengavetar propostas que causam dor de cabeça ao Planalto, como o chamado Orçamento Impositivo. Para Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), presidente da Câmara dos Deputados, Dilma precisa saber “conversar e “compartilhar mais” já nos próximos dois meses, quando encerra seu primeiro mandato. “Não pode ser como vinha sendo: o PT escolhendo o que quisesse, principalmente os melhores ministérios, e deixando o resto para os outros. Não pode e não deve ser assim. A presidente Dilma tem dois meses para provar que as coisas não vão ser assim”, afirmou. Depois de onze mandatos na Câmara, Alves foi derrotado na disputa pelo governo do Rio Grande do Norte e ficará sem mandato em janeiro. Nos últimos dias, seu nome passou a figurar na bolsa de apostas do futuro ministério de Dilma, o que ele descarta. Mas, como reza o anedotário político de Brasília, quando se quer um cargo de ministro, o melhor a fazer é dizer justamente o contrário – diz a máxima que, a partir daí, seu nome passará ser lembrado constantemente. Leia a entrevista ao site de VEJA.
Como o senhor viu o apoio de Lula ao seu adversário Robinson Faria (PSD) na disputa ao governo do Rio Grande do Norte? Eu fui surpreendido. O Lula nunca tinha visto o Robinson na vida dele. Esqueceram de avisar que o Robinson que ele apoiou neste ano é o mesmo que há quatro anos ele gravou contra. Se amanhã passar do lado, acho que o Lula nem o reconhece mais. Enquanto eu era líder do PMDB, sempre que havia uma votação importante, o Lula me chamava para conversar e para negociar. Agora, ele grava uma entrevista em um formato de bate-papo elogiando o Robinson, dizendo que ele ia mudar o Rio Grande do Norte. Isso foi decisivo [para a derrota], foram muitas inserções ao longo de vários dias.
O senhor chegou a procurar o PT pedindo que as gravações não se repetissem no segundo turno? Eu procurei o Michel Temer, que na hora telefonou para o Lula pedindo para que não gravasse mais. Tudo bem que a chapa do Robinson estava com o PT para o Senado, mas no plano nacional eu estava com a Dilma. Depois que pedi para pararem, foi quando usaram as propagandas desbragadamente. O Lula não deve ter feito nenhum gesto para pararem de usar. O Temer também procurou o Rui Falcão, mas não adiantou. Ficou uma coisa muito constrangedora. O Lula ia lá toda hora e classificava o outro candidato como a mudança. Mas sou eu que o conheço, eu que o ajudei, que fui o seu parceiro.
Então como fica a relação entre o PT e o senhor depois destas eleições? A Dilma teve outro comportamento. Eu disse que ela poderia ir lá no Estado que todos estaríamos ao lado dela. Mas também disse que ia entender se ela achasse melhor não ir, e ela realmente não foi. Não tenho nada a reclamar dela. Mas, com o Lula, eu vou fazer o quê? Tem de ter maturidade e experiência para virar essa página. Eu reconheço que a participação dele foi muito importante para o resultado eleitoral. Mas, com ressentimentos, ficamos menores. E eu não quero ficar menor com isso.
A derrubada do decreto de Dilma foi um troco ao PT? Essa afirmativa é desinformação ou má-fé. Essa matéria aguardava votação há três meses. Eu decidi pautá-la, fiz um pronunciamento defendendo que o decreto era inconstitucional, tentei diversas vezes que o Aloizio Mercadante o retirasse e apresentasse um projeto de lei com urgência. O que nós queríamos era tirar a vinculação dos conselhos à Presidência da República. Toda votação que se abria, a oposição começava a obstruir enquanto não pautasse o decreto. Na hora que deu para ser votado, a obstrução do PT não teve jeito. Se já era meu desejo que ele fosse votado e derrubado e a pressão estava grande, não teve como ser diferente. A Câmara ia ficar em um impasse sem votar nada? Mas isso não tem nada a ver com situação nenhuma. Eu já falei com a Dilma, dei parabéns pela eleição, e ela sequer tocou neste assunto. A presidente ainda disse que na próxima semana, quando voltar de viagem, gostaria de falar comigo porque ia precisar muito da minha ajuda.
O que o senhor acha que tem de mudar na relação entre Executivo e Legislativo no novo governo? A Dilma nunca foi parlamentar e nunca passou nesta Casa, como todos os outros presidentes passaram e sabem das tensões que temos aqui, da necessidade de dar respostas. Ela exerceu uma função gerencial e se tornou presidente da República. Eu acho que ela precisa conversar mais. Quando convencer, muito bem. Quando não, ser convencida. Acho que ela vai partir para isso, para um modelo diferente do primeiro mandato. Até porque antes ela tinha um contexto eleitoral muito favorável, mas agora não, está dividido. E aqui, pelo radicalismo da campanha, é um prato cheio para o Aécio, porque as coisas vão se tornar ainda mais radicais. Mais do que nunca vai exigir a colaboração do PMDB e ela própria vai ter de conversar mais com o setor produtivo, com representantes empresariais, com o setor sindical e com parlamentares.
Este ano foi marcado por tensões entre a bancada do PMDB e o Planalto. O que o Michel Temer disse sobre o novo governo depois da reeleição? Nada. Mas agora a situação é outra. De fora da janela do Palácio do Planalto há um país dividido. E tem de se ter muito cuidado para que amanhã não haja uma crise. Agora tem de se calçar a sandália da humildade. A Dilma, na reta final das eleições, quando precisou da ajuda do Nordeste, recorreu ao Lula. Até então quase não se via o Lula participar das eleições, ele estava mais focado na disputa de São Paulo. A Dilma tem de compartilhar mais, de participar mais. Não pode ser como vinha sendo, o PT escolhendo o que quisesse, principalmente os melhores ministérios, e deixando o resto para os outros. Não pode e não deve ser assim. A Dilma tem dois meses para provar que as coisas não vão ser assim.
Qual o caminho natural para a presidência da Câmara? Antes uma aliança entre o PT e o PMDB era importante porque juntava muitos votos e quase conseguia maioria. Era um rodízio que se impunha por serem as duas grandes bancadas da Casa. Agora mudou a configuração e essas duas legendas não fazem 140 votos. O fato de elas se entenderem não é nenhuma garantia de que farão o presidente da Casa. Deve-se buscar o candidato que repete o sentimento da Casa, da independência, que procure angariar apoio tanto da base quanto da oposição. Há, hoje, um PMDB que não votou em Dilma. Nessa configuração confusa e muito dividida, acho que o discurso vencedor vai ser de quem falar pelo Parlamento. Eu acho inevitável que o PMDB procure a todos, oposição e governo, e caracterize o discurso de Parlamento.
Há hoje um nome alternativo ao Eduardo Cunha? Não. Ele é a indicação da bancada. O Eduardo tem credibilidade, é respeitado pelos parceiros, pelos adversários e cumpre acordos. É um nome muito forte.
O senhor está na Câmara há 44 anos. Está preparado para não viver mais essa rotina?Preparadíssimo. Eu passei a minha vida inteira morando em hotel sozinho, passava dois ou três dias com a família e viajava. Imagine o que é pegar um avião toda terça e quinta ao longo de todo esse tempo. Agora eu estou preocupado com a minha qualidade de vida. Eu tenho uma empresa de comunicação e vou ficar no comando do PMDB do meu Estado. Continuo na política. Mas quero ter mais qualidade fazendo o que eu gosto.
E a possibilidade de assumir algum ministério? Muitos querem que eu fique em Brasília. Há pressão nesse sentido pela experiência que eu tenho aqui. Eu poderia ficar fazendo um meio de campo entre o Michel Temer e o Eduardo Cunha. Mas a indicação que eu tenho agora é ter uma qualidade de vida melhor.
Então o senhor descarta tornar-se ministro? Descarto. Qualquer ministério. Ministério é pior, porque a gente tem de estar aqui de segunda a sexta. A política sacrifica muito a família. Eu tenho dois filhos que quase não vejo. A gente começa a ver que o tempo está passando e está perdendo algumas oportunidades. Então há coisas que vêm pelo bem. Eu tenho um jornal, uma TV e vou ter participação política, mas vivendo com mais estabilidade.
Quem poderia ser capaz de fazer esse meio campo e melhorar o diálogo com o Parlamento?O Jacques Wagner, ex-governador da Bahia, é uma boa pessoa. Ele é experiente, competente, malandro. Eu acho que ele vai para Relações Institucionais. A Dilma não pode mais correr riscos. O país está dividido.
Veja
Curtas do blog!!! Giro estadual

Robinson vai encontrar o governo de Rosalba quebrado ou inteiro?

rn quebradoQuando assumir de fato o governo do Rio Grande do Norte, o governador eleito Robinson Faria (PSD) terá coragem de dizer como encontrou a real situação do Estado?
Mesmo que tenha recebido o apoiou público da governadora Rosalba Ciarlini na reta final da campanha, Robinson – que já havia rompido com ela – rejeitava o seu apoio e era um ferrenho critico de sua gestão.
Dizia até que o governo estava quebrado. Será que vai encontrar inteiro?

O governo de Robinson não poderá descarrilar

trem2 (1)E se Robinson não colocar o RN nos trilhos nos primeiros meses do seumandato jogará a culpa em quem?
Afinal…
Colocar o Estado nos trilhos foi promessa de campanha. O trem não podedescarrilar.
É o que todos esperam.

Senador José Agripino seria pé frio?

Nas redes sociais, o senador José Agripino tem sido taxado de “pé frio” no que diz respeito a disputas eleitorais ou a administrações…
É nos últimos pleitos, os políticos-candidatos aos quais ele declarou apoio não conseguiram a vitória. E os que conseguiram vencer, terminaram os seus mandatos com baixíssimos índices de aprovação popular…
Exemplos: Micarla de Sousa (Prefeitura de Natal), Rosalba Ciarlini (Governo do Estado), Henrique Alves (candidato a governador derrotado), Aécio Neves (candidato a presidente da República derrotado)…
Daniela Freire – Jornal de Hoje

Fabrício Torquato diz que Pau dos Ferros não é curral eleitoral

fabricio entrevista
Em entrevista concedida ao Programa Rádio Cidadão, da Rádio FM Vida, no final da tarde do dia 30 de outubro, o prefeito de Pau dos Ferros, Fabrício Torquato, falou sobre o recente cenário político vivido no município, aquecido em virtude da campanha e do resultado das eleições para governo do estado. De acordo com Fabrício, ao analisar a vitória de Robinson Faria (PSD) sobre o candidato Henrique Alves (PMDB), o atual vice-governador teve um desempenho surpreendente.

“O que houve em Pau dos Ferros foi a antecipação das eleições de 2016”

fabricio entrevista 2Ao apoiar o candidato Robinson Faria (PSD), Fabrício Torquato disse que buscou o apoio de quem acreditava e que o cenário político em Pau dos Ferros foi precoce quando houve a tentativa de antecipar as eleições para prefeito daqui a dois anos. “O que houve em Pau dos Ferros foi a antecipação das eleições municipais de 2016, quando, desrespeitosamente, pessoas que estavam no mesmo palanque que eu surgiram com claros indícios de campanha. É meu direito como Prefeito da cidade construir parcerias para o desenvolvimento do meu trabalho. Não tenho DNA e nem histórico de ser manobrado e conduzido por vontades ou interesses de terceiros”, declarou.

“Plebiscito para reforma política é perda de tempo e de dinheiro”

Erick-Pereira-HD--(9)
Caberá ao Legislativo federal a discussão sobre reforma política. Pelo menos, se depender do doutor em Direito Constitucional e mestre em Direito Eleitoral, Erick Pereira, estava nesta sexta-feira no Rio de Janeiro, onde participa de uma banca de doutorado, foi ouvido pel’O Jornal de Hoje para avaliar a discussão nacional em torno do polêmico tema que se arrasta a décadas em Brasília.


Governo é contra prorrogação de prazo para fim dos lixões

Lixão da cidade de Caicó, no Rio Grande do Norte, em foto de 21 de julho deste ano (Foto: Marcílio de Araújo/G1)
O ministério do Meio Ambiente não considera a simples prorrogação do prazo uma boa solução para o problema dos lixões. O posicionamento continua sendo defendido pela pasta, mesmo após a aprovação, no Congresso Nacional, de emenda ao projeto de lei de conversão da Medida Provisória 651/14, que amplia o prazo para fechamento dos lixões e instalação de aterros sanitários até 2018. A decisão de vetar ou não a emenda, entretanto, será da presidenta Dilma Rousseff. A ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, já havia ressaltado, quando a proposta foi aprovada na Câmara dos Deputados, que a simples prorrogação não provoca a discussão mais objetiva e necessária para tratar a questão dos resíduos sólidos, e continua sendo crime ambiental manter lixões em funcionamento. Para ela, é preciso respeitar também os quase 2,3 mil municípios que cumpriram a lei.

Francisco José minimiza atuação política de Rosalba em Mossoró

francisco jose mossoroenseDurante entrevista que concedeu ao jornal de hoje o prefeito de Mossoró, Francisco José (na foto), foi perguntado se seria candidato a prefeito de Mossoró:
– Olhe acredito que sim. Nós não decidimos ainda. Mas pelo fato de poder e pelo fato de termos saído dessas eleições com uma conjuntura muito forte, com a eleição deGaleno Torquato com 12 mil votos, tendo mais votos que o próprio Leonardo Nogueira, que era deputado por duas vezes na cidade, marido da ex-prefeita por duas vezes da cidade de Mossoró (Fafá Rosado). A votação de Fábio Faria (deputado federal) que praticamente tirou 500 votos a menos que a ex-prefeita Fafá, que teve 12.400 votos e pelo fato de termos um governador amigo, aliado, tudo isso deixa o nosso projeto político muito forte para 2016.

Henrique diz a Veja que perdeu por causa de Lula e descarta ministério

henrique pec
Na primeira semana depois das eleições, o Congresso Nacional deu um claro recado à presidente reeleita Dilma Rousseff (PT): derrubou o decreto bolivariano que criava conselhos populares em órgão públicos, convocou ministros e a presidente da Petrobras, Graça Foster, para prestar esclarecimentos em comissões e ensaia desengavetar propostas que causam dor de cabeça ao Planalto, como o chamado Orçamento Impositivo. Para Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), presidente da Câmara dos Deputados, Dilma precisa saber “conversar e “compartilhar mais” já nos próximos dois meses, quando encerra seu primeiro mandato. “Não pode ser como vinha sendo: o PT escolhendo o que quisesse, principalmente os melhores ministérios, e deixando o resto para os outros. Não pode e não deve ser assim. A presidente Dilma tem dois meses para provar que as coisas não vão ser assim”, afirmou. Depois de onze mandatos na Câmara, Alves foi derrotado na disputa pelo governo do Rio Grande do Norte e ficará sem mandato em janeiro. Nos últimos dias, seu nome passou a figurar na bolsa de apostas do futuro ministério de Dilma, o que ele descarta. Mas, como reza o anedotário político de Brasília, quando se quer um cargo de ministro, o melhor a fazer é dizer justamente o contrário – diz a máxima que, a partir daí, seu nome passará ser lembrado constantemente. Leia a entrevista ao site de VEJA.

RN receberá medicamento que combate o vírus do HIV

p_not_arq5453a13b956acO Rio Grande do Norte é um dos 16 estados brasileiros beneficiados com o envio do atazanar 300mg pelo Instituto de Farmaguinhos/Fiocruz. Além do RN, foram contemplados Amazonas, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Mato Grosso, Pará, Paraná, Santa Catarina, São Paulo, Mina Gerais, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e o Distrito Federal.
O antirretroviral é o mais utilizado no tratamento de pessoas que vivem com HIV/Aids no Brasil. O Ministério da Saúde informa que 47.600 pessoas fazem uso do medicamento.
O envio realizado pela Fundação constitui a segunda etapa de distribuição neste ano. Ao todo, foram distribuídas 4.132.470 cápsulas de atazanavir 300 mg e 1.822.440 na concentração de 200mg. A pauta de distribuição segue o Termo de Execução Descentralizada (TED), documento do Ministério da Saúde com as quantidades a serem enviadas a cada estadobrasileiro.

Quando Zé Agripino não mata deixa aleijado... Politicamente é o maior pé frio do RN...Tem gato no pote!

aleijadoConcordo plenamente com a jornalista do Jornal de Hoje Daniela Freire que publicou hoje na sua coluna que as redes sociais taxaram o senador José Agripino Maia de um verdadeiro  “pé frio” durante a campanha política deste ano e outras campanhas do passado.
– Vejas os exemplos: Micarla de Sousa (prefeita de Natal) teve o apoio e a mão santa do senador, quase que não termina o mandato e encerrou sua carreira politica de uma maneira melancólica, A governadora Rosalba Ciarlini (governo do Estado) é do partido do senador e de um mito passou a ser uma vilã, Henrique Alves (candidato ao governo derrotado) começou a campanha já antecipadamente eleito no primeiro turno, sofreu uma acachapante derrota para Robinson Faria por mais de 141 mil votos, Aécio Neves (candidato a presidente derrotado) no segundo turno, sob sua coordenação foi mais um que naufragou o sonho politico.
Políticos que não venceram e se venceram os mandatos alcançaram altos índices de rejeição.
Só a jornalista Daniela Freire só esqueceu que Wilma de Faria também foi derrotada para o senado no último pleito eleitoral.
Ou seja, Daniela Freire!
Como se diz aqui no agreste da região potengi: Quando Zé Agripino não mata deixa aleijado.
A bela jornalista Patrícia Poeta se despede do Jornal Nacional ao vivo...Qual foi o gato no pote para sua saída?

Apesar da suposta mudança para a área de entretenimento, Patrícia ainda não tem um projeto definido e pode ficar longe das telinhas por mais de um ano.Especula-se que a jornalista esteja sendo preparada para assumir um programa vespertino de variedades, na tentativa de alavancar os índices de audiência do horário.No entanto, os planos são bastante vagos até agora e a emissora deve justificar a pausa como um descanso pessoal para a funcionária.Segundo o jornal "Folha de S. Paulo" a saída de Poeta se deu por conta de uma disputa nos bastidores do canal, mas que não tem relação com William Bonner - apontado como articulador da mudança no noticiário -, e sim com o diretor de Jornalismo e Esporte da empresa, Ali Kamel, e o diretor de programação, Amauri Soares - marido da morena.Kamel, que na época em que Fátima Bernardes deixou a atração já cogitava ter Vasconcellos como substituta, teria argumentado contra a permanência de Patrícia apontando a queda de audiência na faixa nobre, além de ter destacado as gafes da moça.A publicação ainda ressaltou que Amauri é motivo de ciúmes no canal por conta de sua "ascensão meteórica"Apesar da suposta mudança para a área de entretenimento, Patrícia ainda não tem um projeto definido e pode ficar longe das telinhas por mais de um ano.Especula-se que a jornalista esteja sendo preparada para assumir um programa vespertino de variedades, na tentativa de alavancar os índices de audiência do horário.No entanto, os planos são bastante vagos até agora e a emissora deve justificar a pausa como um descanso pessoal para a funcionária.Segundo o jornal "Folha de S. Paulo" a saída de Poeta se deu por conta de uma disputa nos bastidores do canal, mas que não tem relação com William Bonner - apontado como articulador da mudança no noticiário -, e sim com o diretor de Jornalismo e Esporte da empresa, Ali Kamel, e o diretor de programação, Amauri Soares - marido da morena. Ali Kamel, que na época em que Fátima Bernardes deixou a atração já cogitava ter Renata Vasconcellos como substituta, teria argumentado contra a permanência de Patrícia Poeta apontando a queda de audiência na faixa nobre da emissora, além de ter destacado as gafes da moça. A publicação ainda ressaltou que Amauri Soares é motivo de ciúmes no canal por conta de sua "ascensão meteórica"...Que teve gato no pote , teve!
Patrícia Poeta se despediu ao vivo da bancada do “Jornal Nacional”, da TV Globo, nesta sexta-feira (31).Emocionada, a jornalista explicou novamente o motivo pelo qual decidiu deixar o telejornal que apresentava ao lado de William Bonner.“Eu sei que o que vem por aí é um caminho de muito trabalho, Jornalismo é, sim, minha profissão tão amada, mas tenho um sonho antigo de trabalhar com entretenimento. Ele estava escondidinho, mas acabou sendo mais forte para mim [risos]”, iniciou.A apresentadora ainda relembrou que teve o privilégio de participar da cobertura de grandes acontecimentos da história mundial. “Foram três anos intensos [no ‘Jornal Nacional’], muitas coberturas, Eleições, Copa do Mundo, a vinda do Papa Francisco ao Brasil, a renúncia do Papa Bento XVI... Foi uma grande experiência”, afirmou.Patrícia ainda agradeceu a todos os envolvidos na realização do telejornal, inclusive a Bonner, que ficou lisonjeado com as palavras da colega e teceu elogios a ela.“Você sempre fez o melhor possível e vai continuar fazendo. Patrícia construiu uma carreira muito bonita”, afirmou.Logo em seguida, o editor-chefe do noticiário anunciou a chegada de Renata Vasconcellos como substituta de Patrícia, a partir da próxima segunda-feira (3).Empolgada, a ex-apresentadora do “Fantástico” comentou sobre a expectativa de ser apresentadora fixa do “JN”.“Vai ser muito especial. A expectativa é muito grande, são quase 20 anos de Jornalismo, estou muito feliz aqui hoje. Afinal de contas, qual jornalista não gostaria de chegar à bancada do ‘JN’?”Poeta, por sua vez, encerrou o “Jornal Nacional” de uma forma diferente. “O meu ‘boa noite’ de hoje é diferente. Ele não vem com um ‘até amanhã’, e sim, com um ‘até breve’”. Relembre a seguir a história de Poeta no "Jornal Nacional" e, é claro, as gafes que marcaram sua trajetória.Após três anos dividindo a bancada com William Bonner, Patrícia Poeta revelou que iria deixar o "Jornal Nacional". A morena, que assumiu o posto após a saída de Fátima Bernardes, agora quer se arriscar na área do entretenimentoApesar da suposta mudança para a área de entretenimento, Patrícia ainda não tem um projeto definido e pode ficar longe das telinhas por mais de um ano.Especula-se que a jornalista esteja sendo preparada para assumir um programa vespertino de variedades, na tentativa de alavancar os índices de audiência do horário.No entanto, os planos são bastante vagos até agora e a emissora deve justificar a pausa como um descanso pessoal para a funcionária.Segundo o jornal "Folha de S. Paulo" a saída de Poeta se deu por conta de uma disputa nos bastidores do canal, mas que não tem relação com William Bonner - apontado como articulador da mudança no noticiário -, e sim com o diretor de Jornalismo e Esporte da empresa, Ali Kamel, e o diretor de programação, Amauri Soares - marido da morena.Kamel, que na época em que Fátima Bernardes deixou a atração já cogitava ter Vasconcellos como substituta, teria argumentado contra a permanência de Patrícia apontando a queda de audiência na faixa nobre, além de ter destacado as gafes da moça.A publicação ainda ressaltou que Amauri é motivo de ciúmes no canal por conta de sua "ascensão meteórica"Embora a Globo tenha anunciado que a saída da profissional do noticiário ocorreu devido a uma escolha pessoal, muitos acreditam que a mudança na bancada do "JN" tenha sido decidida por conta das constantes gafes e erros de Poeta no ar. Confira alguns desses momentos a seguir!Patrícia Poeta encerrava o "Jornal Nacional” via link da Granja Comary, centro de treinamento da Seleção Brasileira em Teresópolis, no RJ, em 9 de junho, quando confundiu o adversário do Brasil na abertura da Copa do Mundo, principal jogo do torneio até então. Trocou a Croácia pela Sérvia, que havia enfrentado o time brasileiro no dia 6, em um amistoso. William Bonner defendeu a colega, mas a cutucou no ar dizendo que ela estava "nervosa"Ao fim do “JN"de 2 de agosto de 2013, Patrícia Poeta confundiu "Jornal da Globo" com "Jornal Nacional”. "O 'Jornal Nacional' começa logo depois de ‘Saramandaia’”, disse, e logo foi repreendida por William Bonner, que terminou o telejornal às gargalhadas com o erro da colega

sexta-feira, 31 de outubro de 2014

31/10/2014 03h00 - Atualizado em 31/10/2014 14h25

Urubu não está dando conta de tanto animal morto pela seca, diz criador

Município de Glaucilândia, norte de MG, enfrenta estiagem pelo quarto ano.
Estamos gastando a última reserva para alimentar os animais, diz produtor.

Valdivan VelosoDo G1 Grande Minas
A seca no norte de Minas Gerais mata animais e atrai urubus da região (Foto: Valdiran Veloso/G1)A seca no norte de Minas Gerais mata animais e atrai urubus da região (Foto: Valdivan Veloso/G1)A cena desoladora no município de Glaucilândia representa mais ou menos o que é qualquer crise: muitos sofrem e alguns conseguem tirar vantagem da situação. Na cidade no norte de Minas Gerais, a seca está deixando um rastro de animais em decomposição e favorecendo a cadeia alimentar de outros. "Eles morrem de fome e sede e os urubus não estão dando conta de comer tanto animal nessa região", lamenta o produtor Manoel Vieira, de 75 anos, todos vividos na roça.
De janeiro a setembro deste ano choveu apenas 104 milímetros - a última gota caiu em abril. Para efeito de comparação, foram registrados 1.197 milímetros de chuva ao longo do ano passado - e essa quantidade não foi suficiente para repor o nível dos rios no município. Rios importantes como o Rio das Pedras e Verde Grande, afluente do São Francisco, estão secando por causa da estiagem prolongada. Segundo ambientalistas do Instituto Vidas Áridas, a região vive o quarto ano de uma estiagem prolongada que é considerada a pior dos últimos 50 anos.
O local que Manoel Vieira tinha destinado ao pasto agora não passa de terra batida, que não brota nem uma muda de capim. O sonho de se tornar grande criador de gado virou luta para não deixar morrer os oito animais restantes na propriedade.
"Nunca vi algo igual. O tempo já foi muito bom, mas agora é esperar ajuda de Deus. Não há mais pasto, é tudo terra. Já tentei vender, mas ninguém aqui quer comprar, porque é quase certo que vão morrer de sede”, afirma.
frase maria aparecida (Foto: Valdiran Veloso/G1)

Ficha - especial seca - Glaucilândia (MG) (Foto: G1)
Neste município com cerca de 3.000 habitantes, a principal fonte de renda provém da agricultura familiar, mas a seca tem trazido sérias consequências para as lavouras. De acordo com dados da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater), somente na safra 2013/2014, a seca gerou um prejuízo de mais de R$ 3 milhões para o município. A perda na lavoura de milho foi de 80% e a de feijão foi de 100%.
Lavar vasilha na torneira é coisa de luxo na casa de Maria Aparecida Siqueira. Com o marido desempregado e um filho portador de deficiência mental, os problemas se agravam com a falta d'água. “Quando chega água do poço, é uma água calcária. Então, tenho que buscar nos vizinhos, muitas vezes, no balde mesmo, só para beber”, explica.
A produtora Vanderlúcia Gomes preparou parte de terreno para cultivar alimentos de subsistência, mas poucas brotaram. "Já faz algum tempo que não comemos quase nada daqui, temos que comprar", afirma.
Animais mortos vítimas da seca em Glaucilândia (Foto: Valdiran Veloso/G1)Animais mortos vítimas da seca em Glaucilândia (Foto: Valdivan Veloso/G1)

Banho de bacia é rotina em cidade do RN atingida pela seca

'Deixo a água descer pelo corpo. O que cai, uso novamente', diz moradora.
Em Currais Novos, fornecimento de água é uma vez por semana.

Anderson Barbosa e Fred CarvalhoDo G1 RN
Água do açude Dourado ainda é utilizada para abastecer parte da cidade. Pescadores e urubus tentam aproveitar o pouco que resta (Foto: Anderson Barbosa/G1)Água do açude Dourado, em Currais Novos, deixou de abastecer a cidade na terça-feira (28). Pescadores e urubus tentam aproveitar o pouco que ainda resta (Foto: Anderson Barbosa/G1)
Quem mora em Currais Novos, um dos maiores municípios da região Seridó potiguar, compreende a necessidade de  racionar água, mas reclama quando o esquema do rodízio falha. As bombas podem quebrar ou outros imprevistos acontecerem, fazendo a espera pelo reabastecimento ainda mais longa. No bairro José Bezerra, que fica na parte mais alta da cidade, os moradores dizem que não têm água nas torneiras há duas semanas.
Enquanto aguardam, há gente que toma banho em bacias para não desperdiçar nada. Outros deixam as torneiras permanentemente abertas para aproveitar qualquer gota que escorra pelo encanamento.
A falta de chuvas e o baixo nível de água no açude que abastece a cidade levaram a Companhia de Águas e Esgotos do Rio Grande do Norte (Caern) a adotar um sistema de rodízio semanal para que o fornecimento não seja suspenso por completo. Quem hoje recebe água pelas torneiras, só vai vê-la novamente daqui a sete dias. O município tem 44 mil pessoas. 
Dona Marli Medeiros, de 58 anos, tomar banho na bacia para aproveitar a pouca água que chega (Foto: Anderson Barbosa/G1)A dona de casa Maria das Graças Araújo, de 61 anos, diz nunca ter passado por um período de falta d'água tão ruim. “Nunca sofremos tanto”, conta. “Tem que ficar pastorando, vigiando. A bica fica aberta o tempo todo. Se cair água, já vai para dentro do balde. Não podemos perder um minuto quando a água da Caern chega”, diz ela.
Na casa ao lado mora Marli Medeiros, de 58 anos. Ela conta que toma banho sobre uma bacia para aproveitar a pouca água que tem. “É assim todos os dias. A água que chega a gente guarda na caixa, em baldes, onde dá. Na hora de tomar banho, eu fico em pé em cima da bacia e deixo a água descer pelo corpo. O que cai na bacia uso novamente. No fim, a água já serve para dar descarga no banheiro e molhar as plantas”, explica.
G1 visitou o açude de Currais Novos, o Dourado, que fica a 170 quilômetros de Natal. A capacidade de armazenamento é de até 10,3 milhões de metros cúbicos de água, mas de acordo com a medição mais recente, feita no último dia 21 pelo Departamento Nacional de Obras Contras as Secas (Dnocs), há apenas 0,29% de água no local - já dentro do chamado volume morto. A Caern acredita que o Dourado deve secar por completo em menos de uma semana.
A água que ainda existe deixou de ser retirada e tratada pela companhia na terça-feira (28), mas já não servia para o consumo humano. "Dava apenas para os serviços domésticos, como lavar roupa, tomar banho e cozinhar. Para beber, nem pensar. Agora, não serve para mais nada. É suja e tem mau cheiro. Impossível tratar”, ressalta Lúcia de Fátima, que trabalha no escritório local da Caern.
frase seca rn (Foto: G1 RN)

Um vereador a serviço da educação...Agora vai!

Boa Sorte à todos que vai participar do ENEM 2014.
As provas serão aplicadas dias 8 e 9 de novembro próximo, em todas as Unidades da Federação e no Distrito Federal e municípios, às 13h, horário oficial de Brasília.
O QUE LEVAR NO DIA
Cada participante deve ter em mãos caneta esferográfica de tinta preta, fabricada em material transparente. Ela é obrigatória para o exame. O uso de outra cor impossibilita a leitura ótica do cartão-resposta.
Documento de identificação original com foto, cartão de confirmação da inscrição e alimentos.
RESULTADOS ENEM
Os gabaritos das provas objetivas serão divulgados na página do Inep, no endereço eletrônico http://portal.inep.gov.br/enem, até o terceiro dia útil seguinte (12 de novembro 2014) ao de realização das últimas provas.
Os participantes poderão acessar os resultados individuais da edição do Enem 2014, em data a ser posteriormente divulgada, mediante inserção do número de inscrição e senha ou CPF e senha.
Boa Sorte !!
Bons estudos !!
Prof. Jorllan Karderk
Vereador