domingo, 4 de junho de 2017

Editorial

Mesmo sendo um balão de ensaio, oposição sai na frente com Clébia Sena/Joca Basílio...Situação tá na toca!

Resultado de imagem para imagens de uma oligarquia familiarDe forma cautelosa o ex-prefeito Junior Bernardo, lança o nome de sua candidata a prefeita  (Clébia Sena) e do seu vice (Joca Basílio), dessa forma  vai lançando seus balões de ensaio. Para prefeito, traz o nome da sua esposa Clébia Sena, que tem passagem livre politicamente  em todo município e para compor a chapa, vem o nome do mito na última eleição, ex-vereador Joca Basílio, que por falta de recursos na reta final do pleito, deixou passar uma eleição praticamente ganha em favor da oposição. Os nomes fluem na boca do povo riachuelense com muita facilidade, apesar de faltar muito tempo. No momento, acho na qualidade de editor do blog, que está é a única chapa que pode desbancar em todos os aspectos a oligarquia familiar riachuelense, que no momento é um governo de poucas pessoas. Para governo o cenário foi reavivado com o surgimento da senadora Fátima Bezerra em primeiro lugar nas intenções de voto. Neste editorial vamos trazer um pouco dessa mazela chamada oligarquia que assola nosso país há muito tempo atrás e agora em pleno século XXI ainda vem sendo usada como bandeira em nosso município.

OLIGARQUIA E O VOTO DE CABRESTO

Significado (definição) >> Chamamos de República das Oligarquias o período da História do Brasil (entre 1894 e 1930), em que houve um forte domínio das oligarquias na política nacional. Estas oligarquias eram compostas, principalmente, por ricos e poderosos proprietários rurais, principalmente da região sudeste do Brasil. A República das Oligarquias teve início em 1894, com o governo de Prudente de Morais, representante da oligarquia cafeicultora da região sudeste do Brasil. Início e término da República das Oligarquias >> Esta fase terminou em 1930, após a Revolução de 1930, golpe de estado que levou Getúlio Vargas ao poder. Coronelismo>> era o poder político, econômico e social que os “coronéis” tinham sobre a população local. Estes coronéis nada mais eram do que grandes proprietários rurais com influência na política regional. Política do café-com-leite>> foi a alternância na presidência da República de políticos paulistas e mineiros. Ganhou este nome, pois o café era o principal produto de São Paulo e o leite (também os derivados) era o principal produto dos mineiros. Fraudes eleitorais >>  como o voto era aberto e o sistema eleitoral facilmente manipulado pelos políticos, era comum as fraudes eleitoras, feitas sempre para beneficiar os candidatos apoiados pelos grandes proprietários rurais. Compra de votos, uso de documentos falsos e alterações de cédulas eleitorais eram comuns neste período. O “voto de cabresto” era o sistema em que o coronel, com uso da violência ou pressão de todos os tipos, fazia com que seus funcionários votassem nos candidatos indicados por ele. Início do processo de industrialização do país: parte do lucro dos cafeicultores, com a venda do café para o mercado externo, foi usada como investimentos no setor industrial. A região sudeste do país, principalmente a cidade de São Paulo, foi a que mais recebeu estes investimentos e mais se desenvolveu no aspecto industrial.Formação da burguesia industrial urbana e do operariado, principalmente nas cidades de São Paulo e Rio de Janeiro: muitos imigrantes, principalmente italianos, foram morar nestas cidades para trabalhar nas nascentes e promissoras indústrias. Ocorreram também, neste período, muitas greves com a organização do movimento operário, que reivindicava melhores salários e condições de trabalho.

Política dos Governadores>> espécie de acordo feito entre os governadores de estados e o presidente da República. O presidente dava apoio, principalmente nas eleições, aos governadores e, em troca, estes davam sustentação política ao presidente.

Tenentismo >> movimento de caráter político-militar, com grande participação de militares do exército (média e baixa patente), que eram a favor da moralização política do Brasil. O movimento, do início da década de 1920, foi caracterizado por rebeliões e protestos. O mais importante levante tenentista foi a Revolução Paulista de 1924.

Principais movimentos e revoltas sociais do período >>Os movimentos sociais deste período foram reflexos da insatisfação de grande parte do povo brasileiro com o controle político das oligarquias e também com os problemas sociais advindos da concentração de renda, pobreza e miséria.

Prof. Nivaldo Lopes 
Editor dominical

-


Postar um comentário