terça-feira, 8 de maio de 2018

Greve dos professores em Natal deve alterar calendário letivo de 2018

Com o propósito de informar toda população das possiblidades da Prefeitura do Natal em atender às reivindicações dos professores e educadores infantis em greve, a titular da Secretaria Municipal de Educação, professora Justina Iva de Araújo Silva, concedeu na manhã desta segunda-feira (07) uma coletiva de imprensa apresentando dados e destacando o trabalho realizado com afinco pelo Poder Executivo Municipal em prol da Rede Municipal de Ensino e dos profissionais do magistério.
Segundo a titular da pasta, o movimento grevista começou em 22 março (44 dias de greve), representando 29 dias letivos sem aulas na Rede Municipal de Ensino. Com isso, o calendário de 2018 ficou comprometido e atrasará o início do ano letivo de 2019. “A reposição a que se obriga os professores não mais cabe dentro do ano de 2018, faz com que o ano letivo de 2019 comece tardiamente. No próximo ano, provavelmente, não teremos como iniciar em fevereiro, porque a reposição dessas aulas deverá ocupar quase todo o mês de janeiro. Em seguida, vem o período de férias dos profissionais do magistério e as aulas devem começar só no mês de março”, contou.
Com uma matrícula superior a 57 mil alunos na Rede Municipal de Ensino, estão prejudicados com o movimento de greve, 6.530 estudantes com aulas paralisadas (o que totaliza um percentual de 11,4%). Outros 43.418 alunos com aulas parciais (representando 75,7%), e estão assistindo aulas neste momento apenas 7.400 estudantes, o que representa um percentual de 12,9%. “Muitas escolas já voltaram aos trabalhos, porém ainda há um grande número de alunos sem aulas. Os pais estão preocupados e indignados”, disse a secretária. Os dados divulgados durante a coletiva foram catalogados pelo Departamento de Gestão Escolar (DGE) e pelo Setor de Normas e Organização Escolar (SNOE), junto às 146 unidades de ensino.
Na oportunidade, a professora destacou mais uma vez a proposta da Prefeitura de Natal, já apresentada em reunião com o Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do RN (Sinte-RN) e também em audiência de conciliação no Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte.
Segundo a professora Justina Iva, a gestão apresentou a seguinte proposta: correção dos salários dos profissionais do magistério com o mesmo índice de correção do Piso Salarial Nacional (6,817%) a ser implantada na folha de junho deste ano; atualização, a partir de maio, dos planos de carreira de todos da categoria e retomada imediata da discussão sobre as alterações dos planos de carreira para serem encaminhados à Câmara Municipal de Natal.
Mais duas propostas também foram apresentadas a categoria: o pagamento do retroativo da correção salarial correspondente aos meses de janeiro/maio de 2018, em 12 parcelas iguais com início em janeiro de 2019 e o pagamento do resíduo referente ao retroativo de janeiro/fevereiro de 2017, em quatro parcelas iguais com pagamento em setembro e terminada em dezembro de 2019.
“Não há mais como avançar no ponto de vista financeiro. Não temos como pagar o retroativo este ano. Já apresentamos a categoria dos professores cinco propostas e gostaríamos de fazer um apelo para que eles encerrassem o movimento. Esta semana deverá sair uma decisão judicial. A greve está ocasionando a perda de alunos e perdendo estudantes. Nós perdemos receita”, afirmou a professora Justina Iva.
A titular da SME ainda conta que em 2018, com a correção de 6,81% do Piso, o reajuste acumulado de janeiro de 2013 a junho de 2018 é de 91,66%. Comparado ao valor do Piso Nacional, o salário do magistério hoje é superior em 40,51%. No período supracitado à correção do Piso Salarial Profissional Nacional foi de 56,69%.
“A correção do Piso Salarial Profissional Nacional foi de 56,69% e os salários dos professores da Rede Municipal de Ensino de Natal foi corrigido em 91,66%. Ou seja, a Prefeitura do Natal paga 40% acima do Piso Nacional dos Professores”, declarou a secretária de Educação.


Postar um comentário

Postagem em destaque