quinta-feira, 15 de outubro de 2020

NOSSA ENTREVISTA DE HOJE É COM O NOSSO PROFESSOR E FUTURO VEREADOR GAL DE CACHOEIRA DO SAPO/RN




Dois quadros pergunta:

O que te motivou a ser candidato ao poder legislativo do nosso município?

Gal responde:

Quem vive a nossa realidade sabe das dificuldades que enfrentamos no dia a dia e que muitas dessas dificuldades dependem da implementação de políticas públicas de qualidade e que atinjam as camadas que mais necessitam no município. Nesse sentido, eu juntamente com alguns amigos já vínhamos buscando há uns oito anos um nome jovem e com outras visões para disputar uma vaga… Acabou que eu mesmo fui o mais citado entre esses amigos.

Trabalho em um município há onze anos e lá pude perceber que dá pra acreditar no “político”.

Quando o político quer, ele consegue trabalhar por quem mais precisa e consequentemente garante o que é de direito da população de forma mais equânime.

Ao viver/presenciar a política pública durante todo este tempo, minha esperança foi renovada e eu comecei a pensar “se eu quiser mudança eu tenho que ser a mudança, eu tenho que entrar lá e dá o meu melhor desprendido de amarras do sistema político bruto que permeia nosso município há décadas”.

Com a experiência que adquiri e continuo adquirindo passei a acreditar que eu posso ser a renovação, mas é a verdadeira renovação, aquela que te faz acordar e acreditar em dias melhores para o coletivo.

Dois quadros pergunta:

Por que ser candidato do PT e apoiar Júnior Colaça para o poder executivo do nosso município?

Gal responde:

Sou admirador das políticas públicas que o PT implantou em nosso país, por ter dado ênfase a classe mais necessitada, a classe trabalhadora (onde eu sempre estive inserido), da batalha pela igualdade de classes e principalmente das políticas que deram acesso aos cursos tecnológicos e de níveis superiores.

Os menos favorecidos tiveram a oportunidade de ser inserido nesse campo, antes muito distante da nossa realidade... Eu e tantos outros amigos somos exemplos do quanto que isso foi e ainda está sendo importante para vida de quem realmente sonha mais alto.

Além disso, o PT de Riachuelo foi quem olhou pra mim e quis me dá oportunidade. Recebi o convite de um amigo que era filiado ao PT antes mesmo de pensar em ser realmente candidato.

E quanto ao apoio a Junior Colaça o que eu tenho a dizer é que este homem chegou com o que o município precisava, com o sentimento de Libertação, com o sentimento de Renovação, com o objetivo de aflorar a esperança que esteve por tanto tempo presa, sem querer se manifestar, como inclusive era a minha situação. Ele veio e trouxe consigo para todos, o verdadeiro sentido da democracia, onde as pessoas possam sentir-se livres para dizer o que pensa. Ele olhou para pessoas antes nunca vistas, mas com potenciais e para outras antes só usadas e exploradas pelas práticas da política antiga que domina nosso município há anos, que trazem consigo um projeto família e nunca um projeto para o povo e disse: “você é capaz, você tem vez e tem voz e não apenas o voto!”.

Dois quadros pergunta:

No seu plano de governo existe alguma proposta para redução de gastos absurdos que a máquina pública patrocina?

Gal responde:

Sim. Primeiramente gostaria de frisar que se o poder legislativo fizer o seu papel fiscalizador para com os convênios e contratos do município já evita com certeza as contratações desnecessárias e o superfaturamento.

Em segundo lugar, promover políticas que venham capacitar funcionários para exercer determinados cargos que evitem contratações de profissionais de fora do nosso município.

O estimulo por meio dos poderes administrativos do município que proporcionem a geração de emprego e renda o que com certeza fará com que as pessoas fiquem cada vez menos dependentes de empregos nas instituições públicas o que diminuirá sem sombra de dúvidas o gasto com pessoal e possibilitará ainda mais os investimentos em políticas públicas para todo o município.

Dentre outras...

Dois quadros pergunta:

Pessoas despreparadas têm ocupado cargos importantes no poder legislativo do nosso município sem a menor competência para tal. Resultado: Município caro e ineficiente. Como futuro vereador do nosso município o que será feito para acabar/diminuir com o apoio político em troca de favores e cargos públicos?

Gal responde:

Isso é bastante interessante, porque já estamos fazendo um trabalho onde as pessoas estão percebendo o que de fato é um serviço público e coletivo, e o que seria um favor que poderia ser prestado por qualquer cidadão comum.

Informar as pessoas é o caminho. Despreparo é o que atesta a incapacidade de exercer o cargo que lhe foi confiado pela população. Isso deixa como válvula de escape, os caminhos dos acordos, da corrupção e da desmotivação para fazer o que de fato deveria ser feito e ceder para o caminho mais fácil para a permanência no cargo.

Porém, a cada dez anos a população fica mais instruída (Que bom!) e percebe que aquela pessoa na qual ele depositou um voto de confiança, não está fazendo o que deveria, e assim prova que está indo de encontro com tudo que pregou e defendeu.

Isso faz com que as pessoas busquem os mais capacitados e não os amigos, apenas por serem amigos e até os familiares por serem da família.

Então se colocarmos a população a par de tudo que acontece dentro da Câmara Municipal, apresentarmos quem de fato busca pelo povo e não apenas pelos “seus” e, deixa o povo julgar...

Se a prestação de serviços básicos passar a ser exigida pelos vereadores do município a população não terá que pedir ao vereador e este perceberá que o trabalho dele não é de assistencialismo, mas sim garantir que a assistência seja garantida para todos, como direito e não como favor ou obrigação, e por fim, eu poderia dizer que isso se faz junto ao povo, levando o povo a participar das decisões tomadas nesses espaços... “se as pessoas não vão até a Câmara, leva a Câmara até as pessoas”.

Dois quadros pergunta:

- Você é filho de Cachoeira do Sapo/RN, terra conhecida por sua união e independência política. Ao decorrer dos anos Cachoeira do Sapo tem sido fiel ao eleger gente da sua terra, mas também sofreram com o abandono de alguns representantes políticos, muitos desses representantes não olhou para o seu povo após conseguir ocupar o cargo desejado, desta forma o que os seus conterrâneos podem esperar de você após ser eleito?

Gal responde:

A minha vida inteira fui eleitor comum. Tenho observado que a escolha de representantes de nossa comunidade sempre foi usada como estratégias políticas, e não pensando na contribuição que estes indivíduos podem dá à comunidade e ao município. Sempre critiquei a postura de candidatos que só aparecem em período de eleições para pedir o voto que é o que tem acontecido nos últimos anos. Não tenho como ser contra aquilo que defendo... não estou pleiteando um cargo onde estou indo para aprender algo, estou indo porque estou preparado. Nada no ambiente legislativo será novidade pra mim. Lido com questões burocráticas, instrumentos de gestão há muito tempo... Não é meu “primeiro emprego”... Tudo que tenho e que conquistei foi à custa de muita dedicação, de muito tempo longe dos meus familiares, de muita dificuldade. Não posso ser covarde comigo mesmo, porque ser covarde comigo é ser covarde com muita gente que passou e que passa pelo que passei e ainda passa. Quero está sempre perto do povo. É o povo que me dará as pautas a ser debatidas. Vou lutar pra que a sociedade atual, tenha menos dificuldades para galgar novos horizontes e para que possa está perto de sua base familiar.

Dois quadros pergunta:

- Somos conhecedores da sua experiência e boa atuação no município de Jardim de Angicos/RN, como você pretende usar essa experiência aqui na nossa cidade?

Gal responde:

Quando assumi o cargo de Fiscal Vigilância Sanitária por meio de concurso público no Município de Jardim de Angicos, me deparei com um grande desafio. Percebi que iria lidar com Leis e com regulamentações que poderiam custar à vida de pessoas. Mas não fugi, não fiz daquilo apenas um salário enquanto terminava meu curso superior e lutava por oportunidades maiores.

Procurei me especializar. Foi ai que surgiu a oportunidade de fazer um Curso Técnico de vigilância em saúde... Ai me senti preparado após três longos anos de curso, comecei a melhorar a prática no município, com muita responsabilidade e isso me garantiu o ganho de outras atribuições que a Gestão da Prefeita Suely foi me proporcionando.

Quando terminei meu curso superior, comecei a lecionar em escolas públicas, e mesmo com um vasto conhecimento na área da saúde, recebi o convite pra me tornar Secretário Adjunto de Educação do Município.

Um ano depois voltei pra saúde com o cargo de Secretário Adjunto, desta vez... E daí pra frente foram só conquistas depois de muito trabalho, assumi a Secretaria de Saúde como responsável titular desta pasta e em seguida fui levado para o cargo de Chefe de Gabinete onde até o dia de hoje, exerço

minhas funções. Isso sem nunca ter mudado de residência eleitoral, porque gestão de compromisso não olha título de eleitor, olha para a população.

Quis fazer esse breve histórico para mostrar que não serei um vereador limitado a determinadas áreas, aprendi a ver o conjunto.

Tenho plena capacidade de debater em qualquer área que me for solicitado, por ter vivenciado e vivenciar, por participar dos mecanismos constitucionais, como comissões, audiências públicas, conselhos e outros instrumentos de construção de políticas públicas e de defesa dos direitos da população.

Digo com segurança e muita humildade e não pra ser melhor do que ninguém, só que talvez eu tenha me preparado mais que outros, e talvez eu tenha percorrido um caminho que outros evitaram quando sentiram que não ia ser fácil... Eu não... Quanto mais difícil mais eu me dedico, por saber que o resultado é bem mais gratificante.

Dois quadros pergunta:

- Que tal pedir o voto do nosso leitor?

Gal responde:

Prego a Renovação para poder inovar.

Os dias atuais, a população atual não comporta mais o modelo antigo de fazer política pública. Pensem no futuro dos seus filhos e das futuras gerações olhando para o presente e o passado de vocês. Será que está bom?

Será que nossos jovens vão ter que fazer parte dessa história com o mesmo conteúdo?

Ou será que não seria melhor reescrever novas páginas!

Não tenham medo do diferente, não tenham medo do novo, a vida exige coragem, disposição, exige que nós estejamos sempre nos reinventando para termos uma vida melhor, mas não só a minha, mas sim a do meu vizinho também, se ele sofre eu sofro também (assim deveria ser com todos).

Peço uma oportunidade de colocar em prática, não só os conhecimentos teóricos que tenho a meu favor, mas principalmente os conhecimentos práticos, que me fizeram crescer e evoluir sem esquecer minhas raízes...

Comece a sonhar, renove suas esperanças e aposte no novo para juntos construirmos uma sociedade mais justa e mais humana.

Peço seu voto de confiança pelo futuro que antes parecia incerto, peço seu voto de confiança pela responsabilidade para com a população como um todo.

Nenhum comentário:

Postagem em destaque

Falaaaaaaa, Seu Arnaldo!